Legislação Legislação Segurança Privada José Sérgio Marcondes

Normas, Portaria, Legislação Segurança Privada – Portaria 3.233/2012

Normas, Portaria, Legislação Segurança Privada 

Normas, Portaria, Legislação Segurança Privada 

Normas, Portaria, Legislação Segurança Privada 

O artigo Normas, Portaria, Legislação Segurança Privada – Portaria 3.233/2012,  traz a  transcrição da Portaria  da  Polícia  Federal que regulamenta as atividades da Segurança Privada no Brasil, com o objetivo de divulgar os princípios legais que regem a atividade da segurança privada no País.

PORTARIA Nº 3.233/2012-DG/DPF, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012,  dispõe sobre as normas relacionadas às atividades de Segurança Privada.

[ads1]

Das Disposições Preliminares

 Art. 1º A presente Portaria disciplina as atividades de segurança privada, armada ou desarmada, desenvolvidas pelas empresas especializadas, pelas empresas que possuem serviço orgânico de segurança e pelos profissionais que nelas atuam, bem como regula a fiscalização dos planos de segurança dos estabelecimentos financeiros.

§ 1º As atividades de segurança privada serão reguladas, autorizadas e fiscalizadas pelo Departamento de Polícia Federal – DPF e serão complementares às atividades de segurança pública nos termos da legislação específica.

§ 2º A política de segurança privada envolve a Administração Pública e as classes patronal e laboral, observando os seguintes objetivos:

I – dignidade da pessoa humana;

II – segurança dos cidadãos;

III – prevenção de eventos danosos e diminuição de seus efeitos;

IV – aprimoramento técnico dos profissionais de segurança privada; e

V – estímulo ao crescimento das empresas que atuam no setor.

Atividades da Segurança Privada

§ 3º São consideradas atividades de segurança privada:

I – vigilância patrimonial: atividade exercida em eventos sociais e dentro de estabelecimentos, urbanos ou rurais, públicos ou privados, com a finalidade de garantir a incolumidade física das pessoas e a integridade do patrimônio;

II – transporte de valores: atividade de transporte de numerário, bens ou valores, mediante a utilização de veículos, comuns ou especiais;

III – escolta armada: atividade que visa garantir o transporte de qualquer tipo de carga ou de valor, incluindo o retorno da equipe com o respectivo armamento e demais equipamentos, com os pernoites estritamente necessários;

IV – segurança pessoal: atividade de vigilância exercida com a finalidade de garantir a incolumidade física de pessoas, incluindo o retorno do vigilante com o respectivo armamento e demais equipamentos, com os pernoites estritamente necessários; e

V – curso de formação: atividade de formação, extensão e reciclagem de vigilantes.

Terminologias aplicadas a segurança privada

Art. 2º Para os efeitos desta Portaria são utilizadas as seguintes terminologias:

I – empresa especializada: pessoa jurídica de direito privado autorizada a exercer as atividades de vigilância patrimonial, transporte de valores, escolta armada, segurança pessoal e cursos de formação;

II – empresa possuidora de serviço orgânico de segurança: pessoa jurídica de direito privado autorizada a constituir um setor próprio de vigilância patrimonial ou de transporte de valores, nos termos do art. 10, § 4º da Lei no 7.102, de 20 de junho de 1983;

III – vigilante: profissional capacitado em curso de formação, empregado de empresa especializada ou empresa possuidora de serviço orgânico de segurança, registrado no DPF, e responsável pela execução de atividades de segurança privada; e

IV – Plano de segurança: documentação das informações que detalham os elementos e as condições de segurança dos estabelecimentos referidos no Capítulo V. (texto alterado pela Portaria nº 3.258/13-DG/DPF, publicada no D.O.U em 14/01/2013).

Capítulos da portaria de acordo com o tema

Das Unidades de Controle e Fiscalização

Das Empresas Especializadas

Do Certificado de Segurança Empresas Especializadas

Do Processo de Autorização Funcionamento Empresa de Vigilância

Do Transporte de Valores

Das Especificações de Segurança dos Veículos Transporte Valores

Do Processo de Autorização Funcionamento Empresas Transporte Valores

Da Atividade das Empresas Transporte de Valores

Da Comunicação de Operações Suspeitas no Transporte de Valores

Da Escolta Armada Privada

Da Segurança Pessoal Privada

Dos Cursos de Formação para Atividades Segurança Privada

Do Certificado de Segurança dos Cursos de Formação

Da Atividade dos Cursos de Formação

Do Serviço Orgânico de Segurança

Da Segurança  Dos Estabelecimentos  Financeiros

Dos Requisitos do Plano de Segurança Estabelecimentos Financeiros

Da  Renovação Planos de Segurança Estabelecimentos  Financeiros

Das Agências ou PABs em Unidades Móveis de Atendimento

Dos Produtos Controlados de Acessórios

Do Processo de Aquisição de Armas e Munições

Do Processo de Aquisição de Coletes de Proteção Balística

Da Guarda de Armas, Munições e Coletes De Proteção Balística

Da Utilização de Cães Adestrados na Segurança Privada

Da  Alteração  dos Atos Constituídos

Do Uniforme  do Vigilante

Dos Requisitos Profissionais  para exercício da profissão de Vigilante

Dos Cursos de Formação, Extensão e Reciclagem

Da Carteira Nacional de Vigilante

Dos Direitos, Deveres e Apuração das Condutas dos Vigilantes

Das Penas Aplicáveis As Empresas e Serviço Orgânico de Segurança

Das Infrações cometidas pelas Empresas e  Serviço Orgânico de Segurança

Da Pena de Proibição Temporária de Funcionamento

Das Infrações Cometidas pelos Estabelecimentos Financeiros 

Das Disposições Comuns Infrações das Empresas e Serviço Orgânico Segurança

Do  Auto de Infração

Da Execução Não Autorizada  Atividades De Segurança Privada

Das Disposições Gerais E Finais

Dos cursos de  formação, extensão e reciclagem

Cursos de Formação Reciclagem e Extensão

Curso De Formação De Vigilante

Reciclagem Do Curso De Formação De Vigilante

Curso De Extensão Em Transporte De Valores – CTV

Reciclagem Em Transporte De Valores – RTV

Curso De Extensão Em Escota  Armada – CEA

Reciclagem Em Escolta Armada – REA

Curso De Extensão Em Segurança  Pessoal Privada – CSPP

Reciclagem Em Segurança Pessoal Privada – RSPP

Extensão Em Equipamentos Não Letais-I – CENL-I

Extensão Em Equipamentos Não Letais-II – CENL-II

Curso De Extensão Em Segurança Para Grandes Eventos – SGE

 

Contribua com o artigo deixando seu comentário logo abaixo, ele é muito importante para o “Nosso Blog”!

Curta e compartilhe as publicações com seus colegas pelas redes sociais, assim estará colaborando para o fortalecimento e reconhecimento da importância da área de segurança.

Navegue em “Nosso Blog” e descubra outros artigos interessantes e úteis para o seu aprimoramento.

Obrigado pela visita e sucesso na sua carreira profissional!

José Sérgio Marcondes – Autor Artigo

[ads2]

Referência Bibliográfica

BRASIL. MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL. PORTARIA Nº 3.233/2012-DG/DPF, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre as normas relacionadas às atividades de Segurança Privada.

Sobre o autor | Website

Especialista em Segurança Privada - CES Consultor em Segurança Privada

Cadastre-se gratuitamente e receba notificações sobre novas publicações. Junte-se aos mais de 10.000 inscritos.

Site Seguro e 100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

15 Comentários

  1. Claudio da Silva santos junior disse:

    Eu senhor Cláudio da Silva santos junior gostei dessa normas OK que estou buscando esse conhecimento na áreas de gestão de segurança privado ok

  2. Carla disse:

    Olá Sr José. Gostaria de um esclarecimento: com estas normas da PF, regulamentando a segurança privada, fica estabelecido que a empresa que contratei para fazer a ronda e monitoramento do meu estabelecimento comercial, não poderão mais fazer, a menos que haja uma ocorrência , digo, um assalto ou arrombamento? Obrigada

    • José Sérgio Marcondes disse:

      Olá Carla!
      As normas da Policia Federal aplica se apenas as empresas que tenham vigilantes armados.Se for uma empresa de monitoramento de alarme, não tem problema.
      Forte abraço e sucesso na sua carreira!

  3. Delson Rodrigues da Silva disse:

    BOA TARDE!

    A EMPRESA DE SEGURANÇA DESARMADA QUE PRESTA SERVIÇOS EM EVENTOS PÚBLICOS TAMBÉM TEM QUE AUTORIZAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL?

    OBRIGADO!

    • José Sérgio Marcondes disse:

      Olá Delson !
      Se o evento tiver público superior a três mil pessoas sim, deverá ter registro na PF e os vigilantes deverão ser habilitados em curso de extensão em segurança para grandes eventos.
      Forte abraço e sucesso na sua carreira!

  4. Alberto Tadeu disse:

    Bom dia,
    Como se enquadra o funcionário de uma farmácia que é contratado para ser o Segurança uniformizado de uma loja?
    Ele precisa ter curso de Segurança?

    • José Sérgio Marcondes disse:

      Bom dia Alberto Tadeu!

      Uma farmácia somente poderá contratar um funcionário para fazer sua própria segurança, ela não pode vender o serviço de segurança para outro estabelecimento. Se o funcionário for registrado como vigilante, será obrigatório fazer o curso de formação de vigilante e a farmácia terá que seguir a legislação sobre segurança privada.
      Obrigado pelo seu comentário, forte abraço e sucesso.

  5. j.wilker disse:

    Companheiro Alberto,
    Boa tarde,
    Sobre o ultimo comentário da segurança em farmácia… desculpe não entendi a parte que cita:
    “ela não pode vender o serviço de segurança para outro” quando perguntado a segurança é do ambiente local. A dúvida seria se contratado como segurança… função?

  6. ezaelsantos disse:

    boa tarde um vigilante comercial ele pode trabalhar armado ou nao/

    • José Sérgio Marcondes disse:

      Olá Ezael.
      O vigilante só pode trabalhar armado se for empregado de uma empresa autorizada pela Polícia Federal a exercer a atividade de vigilância privada. A Arma deve ser de propriedade da empresa de segurança e somente poderá ser utilizada no local e horário de trabalho.
      Forte abraço e sucesso.

  7. ADEMIR DOS SANTOS VIZIGAL disse:

    Posso contratar segurança para a guarda de equipamento na rua

    • José Sérgio Marcondes disse:

      Olá Ademir!
      Para responder com exatidão sua pergunta eu precisaria de mais detalhes da atividade que você se refere. Mas a princípio não. Segurança em vias públicas é responsabilidade da segurança pública, exceto os casos de segurança pessoal, transporte de valores e escolta armada.
      Forte abraço e sucesso.

  8. Vinícius Gomes disse:

    Para exercer o serviço voluntário mensal de segurança patrimonial desarmado de uma instituição (ex.: igreja nos momentos de culto), sem vínculo empregatício, é necessário ser diplomado com o curso de vigilante?

    • José Sérgio Marcondes disse:

      Olá Vinícius Gomes!
      A função descrita por você carateriza com uma função de zeladoria e não é necessário curso de formação de vigilante para essa atividade.
      Forte abraço e sucesso na sua carreira.