Home / Gestão Riscos Segurança Privada / Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos – Conceitos

Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos – Conceitos

Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos

O que é o Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos

O Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos Organizacionais é uma das ferramentas utilizadas para avaliar as ameaças que podem influenciar negativamente as atividades da organização, transformado-se em riscos potenciais, com a finalidade de classificar os riscos identificados de acordo com suas gravidades.

O Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos é uma ferramenta de avaliação de riscos Organizacionais que acompanha a evolução dos riscos de maneira geral.

O Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos analisa a evolução dos riscos sob os pontos de vista quantitativo e qualitativo, enfocando as varias atividades da organização.

Este método está calcado em quatros fases distintas, porém sequencial, onde uma fase depende da outra.

Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos Fases

1ª Fase: Definição do risco

Esta primeira fase tem como objetivo levantar e identificar qual será o risco a ser analisado.

2ª Fase: Análise do risco

Nesta segunda fase, o Método de Mosler, realiza a análise do risco com base em seis critérios.

Estes critérios são voltados para a influência direta da materialização da ameaça estudada, com uma determinada atividade crucial para a organização.

Como forma de parâmetro, cada critério ou função estudada poderá ser pontuado em uma escala que varia de 01 a 05, dependendo de sua gravidade.

Critério da Função “F” 

Este critério projeta as conseqüências negativas ou danos que podem alterar, afetar a atividade principal da organização, dentro da seguinte graduação:

Muito Gravemente (5); Gravemente (4); Mediamente (3); Levemente (2) e Muito Levemente (1).

Critério da Substituição “S”

Este critério avalia qual o impacto da concretização da ameaça sobre os bens, ou seja, o quanto os bens atingidos podem ser substituídos;

Muito Dificilmente (5); Dificilmente (4); Sem Muitas Dificuldades (3); Facilmente (2) e Muito Facilmente (1).

Critério de Profundidade “P” 

Uma vez materializado o risco, esse critério mede a perturbação e os efeitos que o risco poderá causar para a imagem da organização.

Pertubações muito graves (5); Pertubações Graves; Perturbações Limitadas (3); Perturbações Leves (2) e Pertubações Muito Leves (1)

Critério da Extensão “E”

Este critério mede o alcance e a extensão que o dano pode causar à organização;

De caráter internacional (5); De caráter nacional (4); De caráter regional (3); De caráter local (2) e De caráter individual (1).

Critério da Agressão “A”

Este critério mede a possibilidade do dano ou risco vir a acontecer, tendo em vista as características conjunturais e físicas da organização;

Muita Alta (5);  Alta (4); Média (3); Baixa (2) e Muito Baixa (1).

Critério da Vulnerabilidade “V”

Este critério mede quais serão as perdas causadas pela concretização do risco no âmbito financeiro.

Muito Alta (5); Alta (4); Média (3); Baixa (2) e Muito Baixa (1).

3ª Fase: Avaliação do Risco

Esta terceira fase, tem por objetivo quantificar o risco analisado conforme formulas abaixo:

Cálculo da magnitude do risco “C”

I – Importância do risco: I = F x S

D –  Danos ocasionados: D = P x E

C –  Magnitude do risco: C = I + D

Cálculo da Probabilidade “PR”

A – Critério da Agressão

V –  Critério de vulnerabilidade

PR –  Probabilidade: PR =  A x V

Quantificação da grandeza do Risco “ER”

Se obterá multiplicando os valores de “C” e “PR”

ER – Grandeza do Risco: ER = C x PR

4ª Fase: Cálculo da classe de risco

O objeto desta fase é a de classificar o risco de acordo com o valor obtido da quantificação da grandeza do risco ( ER ), de acordo com a tabela abaixo:

Valores para Classificação do Risco
Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos

Modelo de Planinha para Análise e Avaliação  de RiscoMétodo de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos

Conclusão

Ao final o Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos  irá classificar o risco de acordo com sua magnitude.

De acordo à classificação do risco, a organização poderá priorizar o tratamento a ser dados para os riscos identificados e avaliados.

O Método de Mosler para Análise e Avaliação de Riscos Organizacionais  é um método subjetivo e, portanto, deve ser utilizado quando não há banco de dados que forneça históricos de ocorrências, que possibilite uma análise de probabilidade.

Este Método depende da experiência do avaliador, pois cabe a ele a função de atribuir a  pontuação para avaliar os critérios utilizados no método. Portanto, o resultado encontrado pode variar em função da perícia e do conhecimento do avaliador sobre o tipo de risco a ser avaliado.

Contribua com o artigo deixando seu comentário logo abaixo, ele é muito importante para o “Nosso Blog”!

Curta e compartilhe as publicações com seus colegas pelas redes sociais, assim estará colaborando para o fortalecimento e reconhecimento da importância da área de segurança.

Navegue em “Nosso Blog” e descubra outros artigos interessantes e úteis para o seu aprimoramento.

Obrigado pela visita e sucesso na sua carreira profissional!

José Sérgio Marcondes – Autor Artigo

Sobre José Sérgio Marcondes

Especialista em Segurança Privada - CES Consultor em Segurança Privada

6 Comentários

  1. Muito bom o material

  2. Excelente material.
    Parabéns, Marcondes !!!

  3. Olá Marcondes,

    Muito didático a forma que você expôs o método.
    Inclusive já usei em uma atividade com meus alunos da graduação (Engenharia Elétrica e de Automação) aqui na UTFPR -Campus Curitiba.

    Forte abraço

    prof. Marcelo Rodrigues

Deixe um comentário...

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.